21 de fevereiro de 2012

O Menino do Circo - Parte III

"Você sabe o quanto vai doer... E sabe principalmente que corríamos esse risco e mesmo assim, aceitou viver essa aventura. Agora voa... Sem medo de cair, juro nunca mais te soltar."
Parte I aqui
Parte II aqui
Meus passos desencontrados anunciam minha rapidez para chegar até o Café e encontrar Eduardo, depois daquele fim de encontro selado com um beijo que curou meus lábios ressecados da dor da solidão. O vento levou o perfume dele e deixou uma pequena porção grudada na roupa que eu usara no dia. Faz dois dias, e o perfume dele ainda permanece lá me fazendo companhia nas noites cinzentas da cidade pequena.

Ando ao compasso da música lenta que vem do circo e mesmo querendo espiar se ele está por lá, passo direto, forçando-me a não olhar.  Ando o mais rápido que posso para chegar e ver se ele está com a camisa de cores foscas que tanto amo. Abro meu guarda-chuva logo que os primeiros pingos da chuva de inverno começam a cair e sem querer molho à ponta do meu vestido florido. Dessa vez, desvio das poças d’água e enfim, vejo Eduardo na porta do Café.

Estaciono meu olhar no dele e sorrio sem esconder o quão feliz me deixa vê-lo ali.  Ele anda na minha direção, beija minha testa e fecha o guarda-chuva, entrelaça suas mãos nas minhas e me leva a – nossa – mesa preferida.

- Porque seus olhos fecham quando você sorri? – ele disse puxando a cadeira para que eu pudesse sentar.                                                                                                                                                   
- Não sei – sorri, acidentalmente fechando os olhos – Por quê?                                                         
 - Porque é bonito. Seus olhos são bonitos.

Se ele queria me deixar sem graça... Ele não precisou fazer esforços pra isso. Dessa vez ele pediu uma porção de cookies e duas xícaras de café. Não me ousei a discordar, aliás, eu nunca discordo de nada que venha dele.

Trocamos algumas palavras simples antes de entrarmos em um assunto específico, sentamos um do lado do outro e de vez em quando ele elogiava algo em mim. Disse que gosta do jeito que faço meus coques de última hora e que meu vestido lembra algo em Alice no País das Maravilhas. Não tenho porque discordar, já que não é a primeira vez que ele me diz isso.

Logo que os cookies e o café chegam, ele dá um gole no café ainda amargo e respira fundo. Parecia que queria me dizer algo.

– Aconteceu alguma coisa, Eduardo? Você está gelado...                         

– Alguma coisa tipo o que?                                                                                                                                       
– Sei lá, faz dois dias que não nos vemos desde que... Ah... Você sabe.                                                             
– Sei do que?                                                                                                                                                             
– Não se faça de desentendido.                                                                                                                              
 – Há algo que preciso lhe dizer, preciso dividir com você porque não vou agüentar sozinho. Precisamos resolver isso logo, antes que seja tarde... Sabe?                                                                  
– Temos algo para resolver? Antes que seja tarde demais? Eduardo, você está me assustando, diz logo.                                                                                                                                                                      
– Aqui não, nem agora. Eu quero ficar com você sem preocupações, esquece isso. Depois conversamos.                                                                                                                                                
– Agora que você disse vou tentar esquecer, mas vai ser difícil.

Ele me beijou como se fosse nosso último momento juntos. Isso estava parecendo uma despedida de algo que nem havia começado. Era como um adeus, daqueles silenciosos. Perdi-me nos lábios macios e no teu perfume que dançava uma valsa perfeita ao nosso redor. Eu já tinha esquecido tudo que acontecera antes daquele momento, quando ele passa suas mãos no meu rosto e diz:

- Vai ser difícil ir embora depois de amanhã, Sara. 

____________________________________________________________________________
Me desculpem por ser um escritora não muito pontual com as postagens. O blog estava com problemas e eu tive que resolver antes de voltar a postar as partes seguintes desse conto. Já está tudo resolvido, e agora posso seguir com as duas últimas partes da história O Menino do Circo. Aproveitem, e me desculpem mesmo, por deixá-los esperando tanto. Beijos, meus lindos. 
____________________________________________________________________________

14 comentários:

  1. "[...]depois daquele fim de encontro selado com um beijo que curou meus lábios ressecados da dor da solidão." Isso e todo o resto, início e fim do texto, tudo simples, bonito e apaixonante. Parabéns, Lyv <3 @carolskywalker

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Carol.
      Volte sempre <3

      Excluir
  2. Ei, obrigada pelas palavras, legal ter gostado :)
    Seu blog é bonito!

    Até a próxima.

    ResponderExcluir
  3. Sim;
    aqui há
    Delicadeza.
    Enredo.

    Fico,
    deixo-me
    ficar.

    Seguindo-te.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fique o tempo que quiser. ♥

      Excluir
  4. Você é encantadora, Lyv.

    ResponderExcluir
  5. Own <3
    Uma história romântica.
    estou seguindo pra acompanhar
    só uma coisa: a cor da fonte é muito clara,dificulta a leitura.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico em dúvida entre mudar e deixar assim porque certa vez mudei e disseram que eu fugi das cores padrões, então voltei para essa novamente. Mas, de qualquer forma muito obrigada por avisar, tá?
      Continue acompanhando, tem um lugar reservadinho para você, bem aqui.

      Excluir
  6. Delicadeza e
    serenidade!
    Tudo que um fim
    de tarde necessita.

    As reticências da vida
    trazem esses romances,
    aprendizados e ilusões.
    - Ilusões que precisamos.

    Paz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ilusões nos fazem escrever sobre como as podemos tornar doces e relevantes. Superando tudo...

      Volte mais vezes, Jéss.

      Excluir
  7. que linda a história.
    to seguindo aqui. que talento flor!

    beijinhos ;*

    manhamimoemimimi.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Nossa amiga que lindo, gostei. Ah tem sorteio no meu blog hoje corre la bjs http://meninachict.blogspot.com/2012/02/sorteio-menina-chict-e-loja.html

    ResponderExcluir

Conta pra mim o que achou, vou adorar responder.