11 de dezembro de 2011

Sobre os (nossos) desencantos


Tive planos mais interessantes durante os dias que estive fora, pensando em chegar e ver tudo mudado por ela, tudo no lugar, tudo tão cheio de luz e, no entanto tudo o que encontrei foi o vazio das minhas indecisões, exatamente como deixei. Como era o jeito certo para ficar.

Apesar de acreditar que ela viria aqui e colocaria sem qualquer culpa, seu perfume no meu travesseiro e suas palavras espalhadas pelas paredes da casa, nunca esperei que ela perdoasse minha falta de sensibilidade, de emoção e de amor sobre todos os passos certos (e errados) que demos juntos.

Só que hoje, mesmo a quilômetros imaginários de distância dela, eu vejo quanto tempo perdi.
Eu vejo que a perdi.

Exatamente agora, ela deve estar lendo um daqueles livros que sempre ganha ao invés de presentes caros. Se bem a conheço, deve estar com uma xícara de café na mão, fazendo rabiscos, montando frases e desvendando uns mistérios que sua vida possui. Ou talvez ela esteja dormindo já que essa era a melhor parte do seu dia. Mesmo que ela não durma para se desligar desse mundo de dores, sentimentos aguçados e nervosismo a flor da pele. Mesmo que ela durma para ficar perto dos seus sonhos. Daquela pequena coleção de sonhos que foram sendo pendurados ao seu fabuloso destino.

Dora... O que será que ela está fazendo agora? Será que ainda anda entulhando seus textos na única gaveta vaga da cômoda? Será que anda treinando sua música favorita, mesmo que nunca vá cantar em público? Ou será que ela descobriu o caminho de volta para o seu conto de fadas de onde nunca deveria ter saído? Talvez isso tenha acontecido mesmo, alguma fada deve ter vindo buscá-la e jogado o pó do esquecimento para que sua irmã mais nova, que dorme em seu mesmo quarto, não vá contar imediatamente para sua mãe. Isso é o pouco que aprendi sobre fadas... O pouco que aprendi com ela.

Espero que ela se recorde de mim, porque mesmo que tenha caído em um atalho perdido entre Hogwarts, Neverland e Wonderland e tenha vindo parar nesse mundo sem o encanto que ela precisava, acho que preenchi grande parte das linhas do seu diário, aquele parecido com um livro de magia, de feitiços e coisas do tipo por fora e que, quando era aberto deslizava luzes coloridas pelos cômodos do meu apartamento escuro. 

Sempre achei que ela tinha saído de um conto de fadas, como já disse pela milésima vez, sem me achar repetitivo. E que seu verdadeiro príncipe tenha ficado preso por lá...

Hoje, eu tenho certeza.

15 comentários:

  1. Raíssa12:18 PM

    Que maravilhoso Lyv, você vai longe ! Beijos s2

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Torça por mim, minha linda!

      Excluir
  2. Seu blog é muito lindo, adorei seguindo aqui.
    http://saiadeflorbm.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Coisa mais encantada, gente! Amei, viu?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Encantos me rodeiam.
      Que bom que amou, Th!

      Excluir
  4. muito perfeito o texto e o blog todo! *-* estamos seguindo o blog viu? se quiser da uma passada no nosso,estamos começando! bjks!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu adoro começos, ainda mais quando eles tem tudo para dar certo.
      Lindo o blog de vocês... Muito sucesso!

      Excluir
  5. Você escreve muito beem *--*

    ResponderExcluir
  6. lindo lindo lindíssimo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Linda linda lindíssima porém, você.

      Excluir
  7. escreves realmente bem! gostei imenso das tuas palavras :')

    ResponderExcluir
  8. Adorei aqui! E gostei muito desse texto, especificamente. Escreves muito bem. Voltarei sempre aqui.

    ResponderExcluir

Conta pra mim o que achou, vou adorar responder.